quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Novas dramaturgias - um site com textos de teatro


@dramaturgia: antologia de novas escritas cênicas, organizada por Beatriz Resende, Daniela Amorim e Juliana Pamplona, com patrocínio da Secretaria Estadual de Cultura, quer divulgar o que há de mais importante, inovador, polêmico e instigante na escrita cênica contemporânea, dando ao público facilidades de acesso a textos que já não precisam esperar por publicações em outros suportes.


Unir textos teatrais escritos na última década (2000 – 2010), que podem ser baixados em sua versão completa, a recursos diversos da web, promovendo a convergência de múltiplas linguagens e fornecendo informações sobre os autores é uma aposta na ampliação da discussão sobre o fazer dramatúrgico hoje. Dar visibilidade a tendências presentes na dramaturgia contemporânea brasileira, fazendo circular as obras e superando barreiras geográficas é um dos objetivos do site.


Escritores e organizadores querem, com esse trabalho, aproximar o novo fazer teatral do público, dos leitores e dos críticos em espaço virtual disponível a todos os interessados na dramaturgia contemporânea.


Além dos textos, há entrevistas em vídeo e escritas com os autores.
Acessem os textos dos autores clicando sobre o nome:

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Oficina de Texto Dramático na Biblioteca Pública do Paraná



De 24 a 28 de outubro, a Biblioteca Pública do Paraná promove oficina de texto dramático com o diretor e dramaturgo Marcos Damaceno. As inscrições devem ser feitas até o dia 15 de outubro, pelo email oficina@bpp.pr.gov.br

Os interessados devem encaminhar para esse endereço um breve currículo e um formulário respondendo as seguintes questões:

1) Por quê você quer participar da oficina de dramaturgia?
2) Quais as últimas peças de teatro a que você assistiu?
3) Quais as últimas peças que você leu?

O material será avaliado pelo próprio Damaceno. As inscrições são gratuitas e as vagas limitadas. Esta é a sétima edição da Oficina BPP de Criação Literária em 2011. Já passaram pela Biblioteca grandes nomes da literatura brasileira contemporânea, como Michel Laub, Luiz Ruffato, Humberto Werneck, entre outros.

Marcos Damaceno é diretor e dramaturgo. Escreveu os espetáculos Água Revolta (2003), Sobre Tempos Fechados (2007) e o monólogo Árvores Abatidas ou Para Luís Melo (2008), baseado na obra do austríaco Thomas Bernhard. Todos os textos foram encenados pela Marcos Damaceno Companhia de Teatro, sediada em Curitiba.


Serviço
Oficina BPP de Criação Literária – Texto Dramático, com Marcos Damaceno.
De 24 a 28 de outubro, das 14h às 18h.
Inscrições: 15 de setembro a 15 de outubro.
Na Sala de Reuniões, no terceiro andar da Biblioteca Pública do Paraná (Rua Cândido Lopes, 133, Centro, Curitiba-PR), (41) 3221-4974.
Aulas gratuitas. Vagas limitadas.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Seance - As algemas de Houdini





Elenco de "Seance - As algemas de Houdini"
(foto de Marco Novack)


SEANCE - AS ALGEMAS DE HOUDINI


2011 está sendo um ano extremamente produtivo para a Vigor Mortis e seu diretor Paulo Biscaia Filho. A boa safra teve início no Rio de Janeiro com a celebrada estreia de “Os catecismos segundo Carlos Zéfiro” que lotou sessões no CCBB-RJ antes de fazer casa cheia no Guairinha em uma rápida temporada curitibana. Em abril, com uma produção da MKF, Biscaia estreou “Avenida Independência 161 - Trilha Sonora para Coisas Irreversíveis”. Pouco depois, lançou os curtas do projeto “Nevermore - Três pesadelos e um delírio de Edgar Allan Poe”, que já teve exibições no festival RioFan, em um programa ao lado do polêmico “A Serbian Film”, além de sessões no México e Estados Unidos. Em julho, Biscaia rodou seu segundo longa metragem: “Nervo Craniano Zero”. Baseado na peça homônima, o filme está em fase de edição e deve estrear no ano que vem.

No meio deste turbilhão, e antes de apresentar as montagens “Manson Superstar” em Brasília e circular “Graphic” pelo nordeste do país, a companhia que produziu “Morgue Story”, na quarta feira, dia 21 de setembro, estreou sua nova montagem : “SEANCE - AS ALGEMAS DE HOUDINI”.

“Quem acha que já viu tudo o que a Vigor Mortis pode fazer, está enganado.”, afirma Biscaia, “SEANCE segue a tradição da companhia como mais uma viagem cênica dentro da linguagem filmes de horror, mas diferente de tudo o que já fizemos”. O diretor explica que a nova peça faz referência aos filmes da célebre produtora britânica Hammer, que ficou famosa com os filmes de Christopher Lee e Peter Cushing. A montagem quer recriar o prazer de assistir a esses filmes em programações madrugueiras de TV nas décadas de 70 e 80 somada a um viés político.

“Nos deliciávamos com o pavor de ver aqueles filmes dublados com cenas de horror que hoje parecem mais canhestras que assustadoras. Enquanto víamos TV, o verdadeiro terror estava acontecendo em salas de tortura do governo militar. Esta montagem une esses dois elementos. Essa é a vocação da Vigor Mortis. Juntar coisas que aparentemente jamais dialogariam, mas cuja união é absolutamente coerente”.

A sinopse da peça explica isso. Em julho de 1969, na noite em que a Apollo XI vai supostamente pousar na lua, quatro figuras peculiares são convocadas a um encontro por um homem misterioso. Uma psiquiatra especialista em hipnose, um padre exorcista, uma famosa médium e um mágico escapista. Este estranho grupo descobre que está em um centro de tortura de um país de regime ditatorial não identificado. Sua missão é desvendar um mistério que envolve um guerrilheiro morto e um demônio milenar.

“Claro que é trash!”, brada o diretor, ”Essa palavra está um tanto desgastada, mas se quiserem usar, estejam à vontade. Trash em cinema sempre esteve ligado ao desconhecimento de limites e abusos na comunicação com o público. É desta forma que eu vejo o termo ‘Trash’. E por isso, me orgulho de ser chamado de trash”.

O texto de SEANCE começou a ser escrito em 2005 e traz em seu ritmo e diálogos uma estética mais próxima de Morgue Story, que teve sua estreia uma no antes. Em 2009, o texto foi finalizado após ser selecionado pelo Edital Oraci Gemba do Fundo Municipal de Cultura e fez parte de publicação distribuída ela Fundação Cultural de Curitiba. No entanto, o diretor afirma que nunca se viu como um autor e sim como um diretor que escreve roteiros para suas montagens. Por conta dessa visão, a encenação do texto sofreu mudanças e a a proposta de direção não se preocupou em respeitar rubricas publicadas. “O texto foi escrito e me serviu como guia para a montagem, mas apenas encená-lo ao pé da letra seria frustrante e seguro. É necessário encontrar um risco estético no momento da materialização da peça no palco”, diz Biscaia.

O elemento mais bizarro da montagem está em uma escolha no mínimo estranha de uso do texto. Boa parte da peça é dublada. Isso mesmo. Os atores interpretam em uma língua inventada enquanto que suas próprias vozes dão texto em português e com a típica interpretação canastrona de dubladores dos anos 60. “É um lugar de interpretação que existe apenas no universo da dublagem”. O diretor explica que isso também é uma escolha relacionada a repressão.”É angustiante não poder ver ao certo o que uma pessoa está dizendo. Em todos os sentidos”, diz o diretor.

SEANCE também traz desde seu título uma referência ao lendário mágico americano Harry Houdini, famoso na virada do século XIX para o século XX por seus números de escapismo. Houdini fez fama de correntes, caixotes em lagos congelados e caixões enterrados. O personagem da peça Charles Cavalier (interpretado por Andrew Knoll, vencedor do Troféu Gralha Azul por ‘Manson Superstar’) é um discípulo de Houdini desde os atos de mágica até o hábito de desbancar falsas seances (palavra usada para descrever sessões de espiritismo), mas é por seus atos de fuga que ele traz a metáfora definitiva a montagem. Um escapista em um país prisioneiro. “Esse conceito de prisão não precisa ser ligado apenas ao governo militar, mas também aos políticos contemporâneos que são tão ‘coronelistas’ quanto Médici.”, polemiza o diretor.

A montagem também marca uma nova fase da Vigor Mortis com novas faces no elenco. Além de Andrew Knoll como o mágico, a peça traz Luiz Bertazzo (de “O Homem Piano’) como o misterioso homem de terno preto, Rubia Romani como a psiquiatra junkie, Luiz Carlos Pazello faz o padre exorcista e Guenia Lemos (que acaba de encerrar as filmagens de Nervo Craniano Zero) como a médium Margueritte.

“É um elenco criativo e empolgante. Como os personagens da peça, a princípio parece ser um grupo peculiar, mas aos poucos eles constroem uma cumplicidade que sustenta a narrativa da peça”, elogia Biscaia.

A montagem estreia no Espaço Dois. A mesma casa que abrigou em 2004 a estreia de Morgue Story, montagem que determinaria os caminhos da Vigor Mortis. Desde então a companhia não retornava ao espaço
.

Local: 

Espaço Dois, Rua Comendador Macedo, 451 - Centro, 41 3362-6224
Quando: De 21 de setembro a 23 de outubro.
De Quarta a Sábado às 21:00
Domingos as 20:00.
Sessões EXTRA : nos dias 9, 16 e 23 de outubro às 17:00.

Não haverá apresentação da peça nos dias 30/09, 01 e 02/10.

Ingresso - Quanto: 

Quartas R$2,00(inteira) e R$1,00(meia);
Quintas R$6,00(inteira) e R$3,00(meia);
Sexta a domingo: R$10,00(inteira) e R$5,00(meia).

Texto | Direção | Videos : Paulo Biscaia Filho
Direção de Produção: Marco Novack

Estrelando:Andrew Knoll - Cavalier
Guenia Lemos - Margeritte, a Médium
Luiz Carlos Pazello - Padre Lucas/ Irmã
Luiz Bertazzo - Homem de Terno
Rubia Romani -Dra. Estela Zorn
Christiane de Macedo - Mãe
Gustavo Saulle - V
Marco Novack - stand in

Cenário | Figurinos | Adereços : Paulo Vinicius
Iluminação: Wagner Corrêa
Maquiagem: Marcelino de Miranda
Sonoplastia: Marco Novack/Paulo Biscaia Filho
Ass. de Figurinos: Day Bernardini
Ass. de Produção: Nika Braun
Cenotécnico : Birapaes
Operadora de luz: Erica Mitiko
Operadora de som e videos: Thaisa Pinheiro Carvalho
Orientador de Mágica : Mágico Hugo Moraes
Design Gráfico: José Aguiar
Diagramação material gráfico:  Fabiano Vianna
Fotografia: Marco Novack
Uma Realização : Vigor Mortis Video Stage and Words


Informações: marconovack@mac.com